Estresse e Sexo: A combinação nada perfeita

A palavra estresse está tão presente na vida das pessoas, e elas não estão se dando conta do quanto ele pode atrapalhar muito desestruturando não apenas o emocional, mas interferindo em outros segmentos, como o desejo sexual.

O estresse pode estar presente em alguns momentos, até porque todos estamos propensos a nos agitar no decorrer do dia com algumas preocupações, como por exemplo, filhos, trabalho sobrecarregado, trabalhos em casa, dificuldades financeiras, dificuldades de relacionamento e afins. Falar que não podemos ter estresse, é o mesmo que falar que não podemos ficar tristes. Simplesmente acontece, e o ser humano precisa estar pronto para lidar com esta situação. Não é aceitar o estresse e reforçar para que ele se mantém em um longo período, mas é identifica-lo, compreender o que está ocasionando este estresse, tentar amenizá-lo para recuperar o equilíbrio, e só assim, resolver o que está incomodando. Parece fácil, não é mesmo? Mas infelizmente não é.

Devemos aprender com cada situação estressante e as nossas reações, isso requer um autoconhecimento. Quando nos analisamos, conseguimos identificar claramente o que nos incomoda, qual a nossa reação prejudicial (ou seja, eu quero essa consequência com o meu comportamento?) e como devemos agir para que depois não haja arrependimentos. Isso é treino, e como todo treino, requer muito esforço.

Uma pessoa estressada tem maiores dificuldades em resolver os problemas, pois irá interferir na sua concentração, e muitas vezes distorce qual é o real problema. Por isso que quando a pessoa se acalma, consegue resolver mais facilmente o que a está incomodando.

Bom, com isso já sabemos que o estresse não é saudável, e que devemos lidar melhor com os fatores estressantes. Mas agora vamos focar no desejo sexual.

Sexo e estresse não combinam!

Para o desejo sexual se manter presente, é importante que a pessoa esteja bem com ela e com o outro, e isso envolve diversos fatores e situações. A energia física e emocional contribui muito para que a pessoa esteja ou não disposta.

Como a libido aparece ao ser estimulada (cada pessoa possui estímulos diferentes), e o foco principal precisa ser o sexo e o prazer para conseguir desfrutar desse momento de uma maneira satisfatória, tendo uma concentração no âmbito sexual e erótico, se a mesma se encontra em momentos de muitas preocupações e estresse, vai ser difícil ela relaxar e pensar no assunto SEXO.

Lógico que não podemos generalizar. Existem pessoas que mesmo estressadas, conseguem ter vontade e até mesmo aliviar o seu estresse com a relação sexual. Mas nem sempre é assim com todos.

Devemos ficar atentos para a inibição do desejo, e identificar o que está levando a pessoa a não ter vontade. Caso o estresse estiver presente, ele pode estar sendo o vilão.

Trabalhe com o estresse, coloque em uma balança se realmente é válido todo o nervosismo. Ao invés de ficarmos estressados, devemos lidar com o problema, e não com o sintoma. Se ficarmos presos ao estresse, o problema irá continuar, ou até piorar.

As pessoas brigam com elas mesmas quando estão estressadas, então, como não atrapalhar a vida sexual?!  Difícil.

A vida sexual está em baixa? Procure alternativas para relaxar, e caso sozinho seja difícil diminuir todo o estresse e reacender o desejo sexual, procure a psicoterapia ou a terapia sexual para buscar não apenas amenizar o estresse, mas para buscar um autoconhecimento e identificar o que incomoda e o que pode ser feito para a libido aparecer.

Lembre-se: cada um é diferente do outro, portanto, o que faz o desejo de uma pessoa aumentar pode não fazer para o outro. Busque em si uma introspecção e mecha-se para a felicidade!

Um abraço

Adriana Visioli

voltar para Artigos

left show fwR center b02ns normalcase bsd|left tsN fwB|left show fwR|c05 b01 bsd|||news login b01 fwB tsN fwR tsY c10 bsd|normalcase b01 tsN c10 bsd|normalcase c10|login news b01 normalcase c05 c10 bsd|tsN normalcase c10|b01 normalcase c10 bsd|content-inner||