Ano novo e vida nova!

Ano novo e vida nova! Esse é o lema de muitas pessoas para a passagem de ano, e chegando ao final desse novo ano, nada mudou. Quem será o responsável disso?

Muitos se martirizam, colocam a culpa em outros (o ser humano é catedrático nisso) e não analisam o que poderiam ter feito para melhorar e conseguir alcançar seus objetivos. Por mais que existe uma interferência social muito grande, somos os principais responsáveis pelas nossas conquistas, ou falta delas.

Fazer projetos é saudável, mas nada vale se nos desmotivamos, deixando de lado sem buscar a concretização daquilo que um dia almejamos.

A falta de motivação aparece principalmente quando nos acostumamos com a facilidade. Queremos o fácil, sem muita preocupação ou sem muito trabalho. Não queremos nos incomodar, e deixamos de batalhar pelo o que queremos. Com isso, buscamos desculpas para nós mesmos, com a finalidade de acreditarmos o por que não conseguimos, ou o por que nem tentamos.

Ao elaborarmos projetos futuros, devemos analisar se podemos alcança-los. E para isso, precisamos nos analisar, saber quem somos e o que queremos, quais os nossos limites e quais os limites do outro (quando envolve uma segunda pessoa). Com isso, já podemos ter uma possível resposta se existe a possibilidade de enfrentar esse desafio. Precisamos acreditar na nossa capacidade, antes de tudo. Quando menciono a palavra “capacidade”, não me refiro apenas à aptidão ou ao saber, até porque aprendemos aquilo que vivenciamos e fazemos, mas quero dizer que envolve também a busca pelo aprendizado, muitas vezes o aprendizado do novo.

Existem pessoas que fogem do que é novo por medo e insegurança.

Quando começamos a pensar mais em nós, a buscar saber quais são os objetivos e a identificar aspectos negativos que iriam atrapalhar a busca das realizações, devemos colocar um novo projeto, a busca por uma autoconfiança e autoestima. Esse processo pode se dar na psicoterapia.

Antes de projetar uma mudança no outro, que tal uma mudança em nós mesmos?

Sempre que ficamos focados muito no outro, parece que nos esquecemos, e isso ajuda para que o ano passe, e projetos não sejam colocados em prática. Mais um ano sem fazer o que queria!

Faça desse novo ano, um ano diferente. Um ano de luta, de busca, de projetos, e mais que tudo, um ano de encontro com você.

Não podemos fugir de nós, por mais que seja isso que a gente queira em alguns momentos. Enfrentar problemas faz parte de um grande aprendizado, e quem sabe de um enorme crescimento. A frase “não quero me incomodar” em algumas situações pode atrapalhar muito a nossa mudança e os nossos objetivos.

Erros acontecem, mas os piores erros é quando não tentamos. A tentativa é um passo para as realizações. Portanto, faça uma lista de seus projetos para 2016, crie estratégias e não tenha medo de tentar. Se não conseguir o que deseja, não se frustre, siga em frente. As tentativas podem levar a uma realização rápida ou demorada, respire fundo e continue lutando. A persistência precisa fazer parte dessa luta, não desista sabendo que é possível. Não pare com a dificuldade, aprenda com ela. E com isso, não devemos ficar esperando que o novo ano seja melhor que o ano passado, esperando que os outros façam o nosso ano melhor. Tudo isso começa com a gente. Quando percebermos que somos capazes de nos fazer felizes, a gratificação é muito maior.

Um maravilhoso Ano Novo para todos, com muita energia para essa busca da felicidade!

Grande abraço,

Adriana Visioli

voltar para Artigos

left show fwR center b02ns normalcase bsd|left tsN fwB|left show fwR|c05 b01 bsd|||news login b01 fwB tsN fwR tsY c10 bsd|normalcase b01 tsN c10 bsd|normalcase c10|login news b01 normalcase c05 c10 bsd|tsN normalcase c10|b01 normalcase c10 bsd|content-inner||